Minha Primeira Prova

Adalberto Costa

Tudo começou a 2 anos atrás, 20 quilos mais pesado, decidi que deveria fazer alguma coisa, pois com 36 anos e todo esse sedentarismo, seguia uma rota não muito promissora. Entrei numa academia 10 quilos a menos, fui induzido ao spinning. Após mais 5 quilos perdidos, o professor, um jovem de 20 anos, disse-me que seria uma ótima idéia comprar uma bicicleta e começar a pedalar de verdade. Gostei da idéia, e algum tempo depois havia comprado uma KHS, grupo RSX, seguindo conselhos colhidos na internet, usada e a um preço baixo. Treinos depois, como sempre gostei de correr, descobri que talvez meu esporte fosse algo como Duathlon, ou Triathlon, uma vez que também já havia nadado quando era mais jovem.

Comecei os treinos orientado por coisas que lia na internet, até conhecer o Treinador João D'Cavallin, de Campinas, que disse-me que poderia mandar-me planilhas pela Internet. Disse-lhe que não poderia pagar-lhe naquele momento, pois estava passando por um período difícil, mesmo assim ele topou o desafio. É mais maluco que eu. Bom 7 semanas depois estava eu inscrito em uma prova de Duathlon (2,5/20/2,5) em São Paulo, a esta altura já no peso ideal.

A Prova.

Bom saí de casa (moro em SJCampos-100km de SPaulo) por volta das 6:00h(valeu aquela dica de chegar cedo e escolher um bom lugar na transição). Achei que iria ficar mais nervoso, dor de barriga, aquelas coisas. Fiquei surpreso não tive nada disso.

Pronto para a largada, lá fomos nós para os primeiros 2,5km. Ritmo bom passei um montão de gente e não fui ultrapassado por ninguém (sinal que estava no lugar errado na largada) mas tudo bem. Fechei com 8'28" na entrada da transição. Sabia que tinha que fazer a primeira parte forte pois a segunda corrida sempre demora pra encaixar (já tinha sentido isto nos treinos).

Parte 2: Peguei a bike. A transição aqui foi rápida, emprestei uma sapatilha com velcro, pois a minha é de amarrar, só que 2 números acima do meu. Resultado, quando precisava fazer força na puxada a sapatilha jogava no pé. Mas tudo bem comecei forte passei outro montão de gente, fui passando os pelotões até pegar um garoto que ia forte, já no começo da 2a. volta (foram 4), cheguei passei e ele colou e ficou no vácuo. Aí pensei, vou revezar com este cara, combinei e fomos nós. Pegamos um terceiro e combinamos a mesma coisa, só que ele ficou na primeira reta. Daí pra frente foi um passeio de bicicleta (e aí que eu me ferrei), sentia que tinha força e resistência pra ir mais forte, mas como achava que para ele estava bom o ritmo ficamos neste ritmo mesmo. Fiz para 33' (tinha planejado 31')

Parte 3: Outros 2,5km. Fiz uma lambança na transição. Primeiro desobedecendo as regras básicas utilizei um tênis novo. O que deu trabalho para entrar sem desamarrar. Ai sai correndo e na saída da transição ainda estava de capacete. tive que voltar e deixar o capacete. Sentia dores no início da corrida. Sabia que tinha que agüentar até o fim de uma pequena subida que tinha no percurso. Até lá perdi apenas duas posições, fora as que perdi na transição. Tudo bem em seguida a corrida melhorou comecei a diminuir para o atleta da frente, que ao final, ganhei a posição em um sprint. (10'10"-dentro do previsto)

Bom, resumo da ópera: 53'52" (6º na minha categoria, a dois minutos do pódio, a 30" do 5º e ...)

A maior frustração foi saber que eu tinha pernas para fazer o ciclismo no tempo que havia previsto e por inexperiência achei que deveria economizar. Economizar o que em um percurso tão curto????

Foi isso. Fiquei com um misto de satisfação e um gosto amargo na boca de saber que poderia ter ido melhor, mas gostaria também que outros vissem, que é possível começar, mesmo aos 34 anos.

Adalberto Costa

E-mail: adalberto@triatleta.com.br